Reconstruindo Rafinha Bastos

Há quem diga que ele é autêntico. Outros fazem duras críticas ao seu humor excessivamente ácido. Alguns adoram suas tiradas; outros estão cansados de seu estilo auto-suficiente e, muitas vezes, pedante. Afinal, quem é Rafinha Bastos? Há mais de três semanas sem dar as caras no programa CQC, da Band, o comediante e a emissora mantêm o suspense e não confirmam os boatos de uma possível suspensão ou mesmo demissão.

Garantindo-se em sua popularidade no Twitter, Rafinha faz o estilo: “falem bem ou falem mal, mas falem de mim”. Ignorando qualquer tipo de censura, o humorista não vê limites na hora de criticar essa ou aquela pessoa – seja ela do meio artístico ou não. Talvez Rafinha aja assim por se basear na sua enorme massa de seguidores no Twitter, que ultrapassa, por exemplo, o número de followers do presidente norte-americano, Barack Obama – em pesquisa realizada neste ano pelo jornal New York Times. Entretanto, até quando Rafinha Bastos seguirá destilando comentários indecorosos a respeito dos outros?

A pergunta segue ainda sem resposta. Mas uma coisa é certa, profissionais como ele existem aos montes por aí. Este perfil debochado, “senhor de si” e até mesmo abusado, não é uma exclusividade de um famoso como o humorista. Muitos anônimos, que vivem suas vidas distantes dos holofotes e do grande público, agem tal qual o sarcástico comediante.

Observando casos como este e, partindo de uma tentativa de classificar alguns tipos muito comuns no ambiente de trabalho, o colunista do Portal Administradores e especialista em Estratégias Empresariais, Marcos Morita, procurou enumerar cada um dos estereótipos mais verificados na cena empresarial contemporânea.

Leia abaixo o artigo que Morita escreveu para o Portal Administradores no dia 17 de outubro.

Se você não se identificar com nenhum dos gêneros, certamente se lembrará de vários colegas de trabalho que agem das formas descritas pelo colunista.

_________________________________

17 de outubro de 2011, às 17h08min

Lições do caso Rafinha Bastos

No dia a dia, vários profissionais perdem o emprego por assumirem posturas que entram em conflito com a política ou os interesses da empresa em que atuam

Por Marcos Morita

O caso ocorrido com o humorista Rafinha Bastos, apresentador do programa CQC, na Rede Bandeirantes, provocou um tremendo mal estar na direção da emissora. Tamanha saia justa causou a demissão do funcionário, que – popular no Twitter e em outras redes sociais – tem postado comentários nada lisonjeiros. Conforme notícias publicadas na mídia, seu perfil ácido já vinha incomodando seus colegas de bancada, assim como altos executivos da empresa.

Apesar da menor repercussão, já ouvi diversos casos de funcionários que perderam seus empregos, foram preteridos a promoções, queimaram sua imagem, ficaram estigmatizados ou criaram um perfil não condizente com o cargo que ocupam. Em geral não tão famosos, muitas vezes não têm tempo ou chance de explicarem as causas de seus comentários infelizes. Creio que consiga classificá-los conforme seu momento de carreira.

Os inexperientes: estagiários e principalmente trainees confundem processos seletivos rigorosos com o dia-a-dia da empresa. Exigidos ao máximo durante a contratação, costumam chegar de salto alto aos departamentos. Comentários sobre viagens de intercâmbio, diplomas de universidades de primeira linha e domínios de vários idiomas devem ser comentados somente quando solicitados.

Os recém-chegados: comum em funcionários que passaram longos períodos em outras instituições, os quais têm sempre na ponta da língua a ladainha: “na empresa em que eu trabalhava fazíamos assim ou assado”. Interessante nas primeiras vezes ou quando bem aplicados, tornam-se motivo de chacota entre seus pares. A pergunta que paira no ar: – se era tão bom por lá, porque decidiu sair?

Os muito experientes: este perfil é ainda comum em empresas mais conservadoras. Apesar de contrabalancearem uma reunião ou projeto, podem se tornar uma pedra no caminho, colocando obstáculos às novas ideias através de comentários como: “já fizemos algo parecido na gestão passada ou acredito que não vai dar certo”. Se este for seu perfil, não se surpreenda se não for convidado para reuniões importantes.

Os high performers: constituído pelos funcionários mais bem avaliados em suas funções, seja por mérito, relacionamento ou ambos. Sua autoconfiança extrapola os limites de sua estação de trabalho, atingindo subordinados, pares e muitas vezes clientes e fornecedores. Vale salientar que em épocas de mercado aquecido, fusões e aquisições, seu desempenho pode ser posto à prova, questionado, ou até mesmo colocado a escanteio.

Os fofoqueiros: sua baia costuma ser ponto de encontro, além de ir com frequência acima do habitual ao café da empresa. Utiliza seu relacionamento para realizar seu trabalho ou ajudar os mais próximos. Não obstante uma ferramenta poderosa quando bem utilizada, vale o ditado: “o peixe morre pela boca”.

Em suma, em épocas de longas jornadas, creio que ninguém conseguiria falar somente o estritamente necessário, evitando comentários com duplo sentido ou alguma conotação negativa. O problema começa a ficar mais grave quando você é associado a algum dos perfis acima, potencializando os comentários proferidos. Apesar de não serem divulgados em rede nacional, podem ficar gravados no subconsciente de subordinados, colegas e superiores, comprometendo sua imagem, carreira e lugar de destaque no lado esquerdo do chefe.

Link: http://www.administradores.com.br/informe-se/artigos/licoes-do-caso-rafinha-bastos/59032

 

Anúncios
Esse post foi publicado em Textos do BH. Bookmark o link permanente.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s