Locanty doa R$ 1,4 mi para políticos e tem contrato com PF do Rio que investiga fraude nas licitações

Em reportagem publicada nesta quarta-feira (21/03) no jornal O Globo, o escândalo das licitações no Rio ganhou mais um capítulo. De acordo com a matéria, a Locanty Comércio e Serviços Ltda., denunciada por oferecer propina para ganhar concorrências públicas na área da saúde, doou mais de R$ 1,4 milhão para quatro campanhas eleitorais em 2010. Ainda segundo a reportagem do Globo, três políticos do Rio foram os agraciados pelo patrocínio da empresa.

Somente o PMDB, partido do atual governador do Rio, Sérgio Cabral – reeleito em 2010 – arrecadou R$ 1,3 milhão. Além da legenda, os deputados estaduais Alcebíades Sabino (PSC) e Bebeto (PDT) receberam R$ 50 mil cada. Outro grande nome daquelas eleições, o candidato à Presidência da República, José Serra (PSDB) também ganhou R$ 50 mil da Locanty.

Mesmo com a afirmativa do site Transparência Brasil que associou a verba do PMDB à campanha vitoriosa de Cabral no Rio, a assessoria do governador fluminense se manifestou alegando que a quantia referida foi doada diretamente ao partido, a quem cabe explicar a destinação dos recursos.

No Estado, a Locanty já recebeu mais de R$ 7 milhões em 2012 das secretarias de Segurança, Casa Civil, Ciência e Tecnologia, Meio Ambiente, Transportes, Defensoria Pública e Tribunal de Justiça. Outro fato, no mínimo curioso a respeito da Locanty, diz respeito ao seu contrato de prestação de serviços para a Polícia Federal do Rio, responsável por investigar a denúncia.

A reportagem diz que, em dois anos, o total dos serviços contratos ultrapassaram R$ 1,2 milhão. Desse montante, R$ 629.200 em 2010 e R$ 590 mil em 2009. Estes valores são referentes aos serviços de copa e cozinha e à limpeza interna e externa da instituição.

Este ano, a empresa já recebeu quase R$ 150 mil pelo vínculo contratual que possui com a PF do Rio. As informações foram obtidas pelo Globo  numa consulta a notas de empenho no Portal da Transparência, mantido pelo governo federal.

No total, em 2011, a empresa embolsou dos cofres federais a importância de R$ 39,4 milhões. Apenas R$ 33,1 milhões desta soma se destinaram à contratação de mão de obra. O maior cliente da Locanty entre repartições federais em 2011 foi o Instituto Nacional de Propriedade Industrial (Inpi): R$ 9 milhões.

No governo a ordem é apurar criteriosamente os fatos. A determinação veio da presidente Dilma Rousseff que, segundo uma fonte do Planalto, tem a intenção de mostrar o quão sua gestão está preocupada com o ocorrido e o quanto ela e sua equipe de governo desejam esclarecer esta questão, punindo severamente os culpados.

Entre as providências estão a abertura de inquéritos pela Polícia Federal, que deve começar a ouvir nesta quarta-feira (22/03) 17 pessoas ligadas às quatro empresas denunciadas por corrupção. Além disso, o Ministério da Saúde determinou ontem a suspensão de um contrato com a Bella Vista, que fornece refeições para o Hospital do Andaraí, no Rio. Ela recebe R$ 1 milhão por mês para servir duas mil refeições diárias.

Nesta terça (20/03) a oposição, na Câmara e no Senado, iniciou uma verdadeira cruzada para angariar assinaturas para a instalação de uma CPI mista, com o intuito de investigar o esquema fraudulento revelado pela reportagem do programa Fantástico do último domingo (18/03). Para que possa ser iniciada, a CPI precisará do apoio de 171 deputados e 27 senadores. Na opinião do governo a instalação da CPI não se faz necessária no momento, pois não existe fato determinado e a União já vem tomando medidas para coibir fraudes contra o SUS (Sistema Único de Saúde).

A Procuradoria Geral do Município do Rio afirmou que irá avaliar exclusivamente os contratos com a Prefeitura que estiverem em andamento, sem verificar os referentes aos anos anteriores. O governo do Estado informou que a Secretaria da Casa Civil está analisando juntamente com a Procuradoria Geral do Estado (PGE), a melhor maneira de não comprometer o andamento dos serviços que já estão em execução. Uma das opções levantadas é convocar as empresas que ficaram em segundo lugar nas licitações para assumirem o tempo restante de contrato.

Anúncios
Esse post foi publicado em Textos do BH. Bookmark o link permanente.

2 respostas para Locanty doa R$ 1,4 mi para políticos e tem contrato com PF do Rio que investiga fraude nas licitações

  1. PELO JEITO TEM UM FORNO ENOOOOOORME NA PRAÇA MAUA NO RJ, DE ONDE VÃO SAIR BELAS PIZZAS.

    • Jose disse:

      Eduardo vc não sabe o que é pior!
      A pregoeira de lá é mãe do Sr. da empresa acima ! Olha que confusão!
      A mãe é pregoeira, e com certeza foi a responsável pelo pregão eletrônico!
      O forno vai ser pequeno!!!

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s