Dia 26 de Maio: Dia Nacional do Combate ao Glaucoma

Na imagem, é possível ter uma noção de como o glaucoma vai diminuindo o campo de visão em quatro momentos diferentes

Neste sábado, dia 26 de maio, é o Dia Nacional do Combate ao Glaucoma. Devido à falta de maiores esclarecimentos e aos sintomas, nada fáceis de se distinguir, esta doença ainda é pouco investigada por pessoas no mundo todo. Muita gente que tem o glaucoma só vai se dar conta de que é portador desta complicação na vista quando a doença já alcançou um estágio avançado no qual pouco pode ser feito.

Para quem não sabe, o glaucoma é apontado por especialistas como a segunda maior causa da cegueira, ficando atrás apenas da renitopatia diabética. Até o momento, o que os especialistas dizem é que, a população, em geral, tem cerca de 2% de chances de padecer de glaucoma. No entanto, as pessoas que têm pai, mãe ou irmão portador da doença “multiplicam por cinco este risco”.

Sabe-se que 80% dos glaucomas não apresentam sintomas no início da doença, o que dificulta ainda mais a detecção da mesma. O glaucoma se caracteriza por ser uma enfermidade que não tem cura, mas, desde que identificada a tempo, pode ser controlada. A sugestão da comunidade científica é que as pessoas consultem o oftalmologista regularmente.

Entre os principais mecanismos que auxiliam no diagnóstico do glaucoma estão o exame do fundo do olho, a medida de pressão intra-ocular e o exame de campo visual. As formas de tratamento mais comuns para cuidar desta doença ocular são: o uso de colírios, laser ou mesmo a intervenção cirúrgica.

Apesar de não ser uma exclusividade destes grupos, o glaucoma costuma ser percebido com mais frequência em indivíduos negros, parentes de portadores da doença, idosos, portadores de alta miopia, usuários crônicos de colírios com alto grau de corticóides, diabéticos e cardiopatas.

No Brasil, mais de 900 mil pessoas são portadoras da doença

De acordo com dados recentes da Sociedade Brasileira de Oftalmologia, no Brasil, mais de 900 mil pessoas são vítimas da doença. Por outro lado, no mundo este número sobe para consideráveis 67 milhões de pessoas.

A respeito da pressão intra-ocular, o que já é de conhecimento de todos é que, esta particularidade de nossa vista é maior de manhã e tende a diminuir na parte da tarde. Mesmo variando de paciente para paciente, a pressão intra-ocular difere pouco nos dois olhos.

Uma curiosidade que muita gente não sabe é que alguns medicamentos antidepressivos ou mesmo anticoncepcionais podem sim colaborar para o desenvolvimento de algum tipo de glaucoma.

Como o glaucoma se desenvolve?

O glaucoma crônico simples costuma se desenvolver quando a pressão elevada no interior do olho, no decorrer de alguns anos, ajuda a matar as fibras nervosas do nervo óptico. No olho, um líquido (humor aquoso) que circula continuamente no seu interior, tem sua circulação prejudicada fazendo com que haja uma diminuição no escoamento desta substância. Em decorrência disso, há um acúmulo de líquido dentro do olho gerando um aumento da pressão intra-ocular.

Uma das principais características da pessoa que desenvolve o glaucoma é a perda da visão periférica, ou seja, quando o indivíduo olha para a frente, enxerga nitidamente os objetos que estão distantes, porém, tudo o que está nas laterais não é percebido pelo campo de visão da pessoa. Nos estágios mais avançados, a visão central também é afetada.

Outra informação importante tem relação direta com as faixas etárias nas quais o glaucoma mais se concentra. Antes dos 50 anos, a probabilidade de uma pessoa desenvolver a doença é de menos de 0,5%. Apesar disso, superados os 70 anos, sem antecedentes de nenhuma classe, a possibilidade sobe para 5%.

Mesmo não oferecendo sintomas claros, a doença pode se manifestar por meio de alguns sinais, tais como: fotofobia (sensibilidade à luz), diminuição visual rápida, pupilas que não reagem à luz, olho vermelho, lacrimejamento, dor de cabeça, náuseas e vômitos.

Segundo estimativas da Associação Mundial do Glaucoma, 4,5 milhões de pessoas estão cegas no mundo devido ao glaucoma. Outro dado preocupante é que, em países em desenvolvimento, 90% da população desconhece o problema.

Tipos de glaucoma

Existem diversos tipos de glaucoma. O crônico é o mais costumeiro em pessoas com idade superior a 40 anos. O congênito é quando se nasce com o problema. Já no caso do agudo, a pressão arterial sofre uma elevação rápida. Finalmente, o secundário, pode aparecer como resultado de outras enfermidades.

 

Fontes: Sociedade Brasileira de Oftalmologia e Portal Terra

Anúncios
Esse post foi publicado em Textos do BH. Bookmark o link permanente.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s